03 abril 2018

Perfins: Silva Laires Lda



Lisboa (31.10.1947) -> Baltimore/MD (E.U.A.)


perfuração: SL


Silva Laires Lda
Lisboa 
furos: 25 / altura: 9 mm / largura: 13 mm
data de autorização: 28.12.1933




11 março 2018

Correio de Bordo (18)



[Funchal/Madeira] -> marca do vapor -> Georgetown/Guiana Britânica (15.12)


reprodução da marca nominativa do vapor

reprodução dos carimbos (frente e verso)



Os selos da franquia desta carta de porte simples do serviço internacional (1$60) foram obliterados com a marca nominativa do vapor "S.S. Oranje Nassau" da Mala Real Holandesa, sendo a anulação reforçada no destino com o carimbo datado de Georgetown.
Apesar da ausência de anotações e de elementos postais identificativos da origem e de datação, este objecto postal foi lançado a 1 de dezembro de 1927, no Funchal. Vejamos:
1. A caligrafia, o destinatário (madeirense, advogado e vice-cônsul de Portugal na Guiana Britânica, filatelista...) e as peças filatélicas existentes são indícios inequívocos da sua procedência;
2. Na sua rota, o vapor "Oranje Nassau" não tocava portos em Portugal Continental;  
3. Nessa data, o "Oranje Nassau" deu entrada no porto do Funchal, tendo zarpado nesse mesmo dia rumo a Nova Iorque, fazendo escala em portos da costa norte da América do Sul e Mar das Caraíbas.







De acordo com o Art. 2º do Decreto n.º 11:238, de 14.11.1925, era obrigatória a utilização dos selos das emissões "Independência de Portugal" em dias a determinar. As estampilhas postais da 2ª emissão, viriam a circular durante o curto período de 29.11.1927 - 02.12.1927.



S.S. (Steamship) ORANJE-NASSAU
KNSM - Koninklijke Nederlandshe Stoomboot Maatschappij




23 fevereiro 2018

Serviço de Cobranças: reembolso (1)



Lisboa (14.05.1901) -> Erkner (18.05)
IP - OM 30A
CE 127 - papel liso, dent. 12 ½
CE 141 (x2) - papel liso, dent. 12 ½



Bilhete Postal, registado sujeito a cobrança, remetido de Lisboa para a Alemanha. A franquia mista de 75 réis, composta por 20 réis do Inteiro Postal e por 55 réis em selos adesivos adicionais, corresponde ao envio de um bilhete postal (25 réis) e ao prémio de registo (50 réis) para a Alemanha, de acordo com a tabela de portes resultante do convénio da UPU, em vigor a partir de 1 de julho de 1898. O valor dos encargos inerentes ao serviço de cobranças (taxa fixa de 0,10 francos = 0,125 marcos = 25 réis + 0,50 francos = 0,625 marcos = 65 réis pelo prémio ordinário de emissão de vale postal internacional) era deduzido ao valor de reembolso, sendo transmitido ao remetente por meio de vale postal, ao abrigo das disposições resultantes da Convenção Postal Universal de Washington, de 15 de junho de 1897.
O "Catálogo de Inteiros Postais Portugueses - 1º Volume - Portugal" refere que os quatro bilhetes postais desta emissão e taxa (n.ºs 30A a 30D) foram retirados de circulação em 1.1.1899, erroneamente, pois o prazo de validade viria a ser dilatado por Portaria de 24.12.1898, perdendo o valor de franquia apenas em 1.9.1910, em conformidade com a Portaria datada de 9.6.1910.




08 fevereiro 2018

Serviço de Cobranças: recibos/títulos/obrigações (4)



Lisboa (22.07.1898)
CE 128 - papel liso, dent. 12½



Recibo à cobrança enviado por via postal através do seu Serviço Interno de Cobranças de Recibos, Letras e Obrigações. Em conformidade com o Regulamento Postal de 1892 (1), a aceitação de cada documento sujeito a cobrança era obrigatoriamente aposto um selo postal no valor de 10 réis, não lhe sendo aplicado qualquer estampilha fiscal devido a gozarem de isenção do imposto de selo os recibos de assinaturas de jornais assim como os relativos a anúncios publicados nos mesmos.



(1) Regulamento do Serviço dos Correios de 1892, aprovado por Decreto de 10.12.1892 e publicado no D.G. n.° 286 de 17 de Dezembro.
 

 

07 janeiro 2018

Carimbos Datados (tipo 1880): CURIA-PALACE



Curia (15.07.1943) -> Lisboa (16.07) -> Londres
Curia / Anadia / Aveiro



06 dezembro 2017

Correspondência Oficial (1)



Vila Real (10.06.1936) -> Varge (03.09) -> São Tomé do Castelo


Carta registada, com aviso de recepção, circulada de Vila Real para São Tomé do Castelo. Esta correspondência trocada entre um município e uma autoridade de uma freguesia civil enquadrava-se e era classificada como Correspondência Oficial, gozando de isenção da taxa primária. A obrigatoriedade da indicação "Serviço da República" ou simplesmente "S.R." e a indicação dos remetente e destinatário eram alguns dos requisitos na aceitação de correspondências desta natureza.
Estava isenta da taxa primária mas não das operações acessórias que estavam cativas do respectivo tarifário, ou seja, o selo da franquia ($40) corresponde ao pagamento do prémio de Registo, sendo a taxa correspondente ao prémio de Aviso de Recepção ($40) também paga por meio de estampilha postal, afixada no respectivo impresso. 
A anotação manuscrita (postal?) "do Remetente / não reclamadoo Encarregado" e o hiato de tempo revelado pelas marcas postais, leva-nos a depreender que este objecto postal não tenha sido recepcionado pelo Regedor da freguesia de São Tomé do Castelo...



22 novembro 2017

2° Centenário: denteados (8)



10.01.1973
Carta de porte simples (até 20g) remetida por via aérea de Tortosendo para a Suécia.


CE 1171 (4x) – Cinquentenário da 1a Travessia Aérea Lisboa-Rio de Janeiro
  denteado 13 ½

 



18 novembro 2017

Erro genuíno ou clandestino?



1931
CE n° 537/42
5° Centenário da Morte de D. Nuno Álvares Pereira


Esta emissão comemorativa foi criada pela Portaria n° 7:205, de 17.10.1931, publicada no D.G. n° 242 - 1a Série, de 20.10.1931. O período de circulação, inicialmente previsto para o mês de Novembro, foi estendido a todo o mês de Dezembro pela Portaria n° 7:223, de 24.11.1931, publicada no D.G. n° 271 - 1a Série, de 24 do mesmo mês/ano. Findo o prazo de validade, o remanescente continuou à venda nas estações dos correios, unicamente para fins filatélicos, durante os meses de Janeiro e Fevereiro de 1932, e sobejante foi recolhido pela Casa da Moeda. Mais tarde, em 1933, o stock destes selos viria a ser transformado em nova emissão: "5° Centenário da Morte de D. Nuno Álvares Pereira, com sobretaxa"

Para além das cotações e dados técnicos desta série, eis alguns dados nos catálogos especializados: 
Eladio de Santos - refere e atribui cotação a selos com valor omitido ($40 e 4$50) e com valor deslocado ($25);
Simões Ferreira - apenas faz referência à existência de selos com valor omisso (taxas de $40 e 4$50);
Afinsa - apenas a nota: "Valores omitidos: Supõe-se terem saído ilegalmente da Casa da Moeda selos de 40 c. e 4$50 com valor omitido.";
Mundifil - Sem qualquel referência a selos com taxas omitidas ou deslocadas.


exemplar com valor deslocado



Ocorrem-nos duas questões:
Serão ensaios, erros ou refugo? De origem natural ou clandestina?



12 novembro 2017

Correio Aéreo (7)



Sta Cruz das Flores (16.10.1947) -> Aeroporto de Santa Maria (25.10) -> New York (26.10) -> Tracy/CA (28.10)

Carta de duplo porte, registada com aviso de recepção e encaminhamento por via aérea, remetida de Sta Cruz das Flores para os EUA. O porte devido pelo envio deste objecto postal era de 15$50, apresentando este, porém, uma franquia no valor total de 13$50.

decomposição do porte (15$50)
1$75 - 1° escalão de peso (até 20g)
1$00 - 2° escalão de peso (21 a 40g)
8$75 - 5x 1$75 (por cada 5g ou fracção) sobretaxa do CA
2$00 - prémio de R
2$00 - prémio de AR

A aparente insuficiência de franquia no valor de 2$00 é explicada pela afixação do(s) selo(s) correspondente(s) ao prémio de AR no próprio impresso (mod. 5), conforme o determinado pela Circular n° 64 - DSE 2 - correio aéreo, de 04.02.1942. 
Esta Circular, entre outras disposições, também recomendava que, para efeitos de apuramento do peso e cálculo da sobretaxa aérea, a pesagem do objecto postal fosse feita sem os selos da franquia mas em companhia do respectivo aviso de recepção, cujo peso total, no caso em apreço, estaria entre 21 e 25g.
Lançada na estação postal de Santa Cruz das Flores, a carta foi conduzida em veleiro da Ilha das Flores para a Ilha Terceira, transitando desta por via aérea no "Açor" da SATA até à Ilha de Santa Maria, sendo então encaminhada num Douglas DC-4 da PAN AM ou da TWA até Nova Iorque, e daqui até ao seu destino.





Bibliografia
SOEIRO, João Manuel Lopes (1997). Notas sobre o Correio Aéreo Português - (Período entre 1920 e 1955). Évora: Edições O Timbre
Webgrafia
www.selos-postais.com



11 novembro 2017

Correio Aéreo (6)



Sintra (26.01.1937) -> Lisboa (27.01) -> Berlim (03.02)


Carta do correio registado, expedida por via aérea de Sintra para a Alemanha. A franquia apresenta um excesso de $31 de porte (1$75 correspondente ao 1° porte, 2$00 de prémio de registo e 1$75 de sobretaxa do encaminhamento por via aérea) e ainda a particularidade da seguinte marca.


Esta marca acessória informa que, devido a condições climatéricas muito adversas, este objecto postal não foi encaminhado no voo previsto num dos trimotores Junker JU90 na Linha aérea 22 da Lufthansa (Lisboa/Burgos/Marseille/Genève/Stuttgart) com ligações para Berlim e Londres. De facto, os jornais da época como o "Diário de Noticias", em reportagens consecutivas a partir do dia 25 de Janeiro de 1937, relatam violentos temporais mais acentuados no centro e sul do país, provocando inundações das pistas e consequente cessação de toda a actividade aeronáutica nas pistas da Granja do Marquês (Sintra) e de Alverca. Face aos transtornos causados pela interrupção temporária do serviço postal por via aérea prestado pela Aero Portuguesa e demais companhias estrangeiras que operavam a partir de pistas terrestres, foi utilizado excepcionalmente o aérodromo do Campo Militar de Espinho, como comprova a seguinte notícia publicada no "Diario de Lisbôa", de 2 de Fevereiro de 1937 (terça-feira).

Diario de Lisbôa, de 2 de Fevereiro de 1937 (terça-feira)

Porém, a marca de chegada aposta neste sobrescrito leva-nos a concluir que terá sido feita uma expedição excepcional de malas postais, pelo menos na véspera, contrariando a notícia deste recorte e de várias fontes filatélicas publicadas.