18 novembro 2017

Erro genuíno ou clandestino?



1931
CE n° 537/42
5° Centenário da Morte de D. Nuno Álvares Pereira


Esta emissão comemorativa foi criada pela Portaria n° 7:205, de 17.10.1931, publicada no D.G. n° 242 - 1a Série, de 20.10.1931. O período de circulação, inicialmente previsto para o mês de Novembro, foi estendido a todo o mês de Dezembro pela Portaria n° 7:223, de 24.11.1931, publicada no D.G. n° 271 - 1a Série, de 24 do mesmo mês/ano. Findo o prazo de validade, o remanescente continuou à venda nas estações dos correios, unicamente para fins filatélicos, durante os meses de Janeiro e Fevereiro de 1932, e sobejante foi recolhido pela Casa da Moeda. Mais tarde, em 1933, o stock destes selos viria a ser transformado em nova emissão: "5° Centenário da Morte de D. Nuno Álvares Pereira, com sobretaxa"

Para além das cotações e dados técnicos desta série, eis alguns dados nos catálogos especializados: 
Eladio de Santos - refere e atribui cotação a selos com valor omitido ($40 e 4$50) e com valor deslocado ($25);
Simões Ferreira - apenas faz referência à existência de selos com valor omisso (taxas de $40 e 4$50);
Afinsa - apenas a nota: "Valores omitidos: Supõe-se terem saído ilegalmente da Casa da Moeda selos de 40 c. e 4$50 com valor omitido.";
Mundifil - Sem qualquel referência a selos com taxas omitidas ou deslocadas.


exemplar com valor deslocado



Ocorrem-nos duas questões:
Serão ensaios, erros ou refugo? De origem natural ou clandestina?



Sem comentários: